Se você trabalha com TI, provavelmente ouviu falar bastante sobre 5G nos últimos tempos. Essa é a expectativa do momento. Só que vale lembrar: essa não é nenhuma revolução neste mercado e sim uma evolução da nossa conexão de internet. Pode não parecer muito logo de cara, mas isso significa muito em termos de conectividade e performance.

O 5G permite qualidade de troca de dados em alto volume e a partir de vários dispositivos. O que isso nos lembra de imediato? Sobre o nosso assunto preferido: a Internet das Coisas. Essa é uma oportunidade de termos uma rede de transmissão muito mais ágil. Em uma comparação rápida, o 5G oferece velocidade de troca de dados 10 vezes mais rápida que o 4G e isso com latência 10 vezes menor. 

 

Agora sim teremos projetos de IoT
no dia a dia 

Há quem diga que apenas com o 5G a IoT poderá fazer parte da nossa rotina. Isso porque, além da complexidade de implementação destes projeto (falamos mais sobre isso neste post), a velocidade de transmissão é um grande desafio. E isso interfere diretamente no desempenho. 

Mas não para por aí. Além da velocidade, o 5G oferece outras tantas vantagens, começando pela baixa latência. A internet móvel será praticamente instantânea o que é crucial, por exemplo, para os veículos autônomos. Imagine que o carro precisa tomar uma decisão de frear para evitar uma colisão. Neste caso, impossível esperar qualquer segundo na troca de informações com um servidor, qualquer delay de dados pode ser fatal. 

Isso sem falar na questão da eficiência. É provável que essa tecnologia supere em até 90% a eficiência energética do 4G.

 

100 dispositivos conectados (com qualidade) por metro quadrado

E aí chegamos no ponto mais interessante para os desenvolvedores: alta densidade. É isso mesmo, o 5G suporta um alto número de dispositivos conectados ao mesmo tempo – pode chegar a tolerar densidades de até 100 dispositivos por metro quadrado. Isso, por si só, já viabiliza muito projeto de IoT por aí. 

Com velocidade, qualidade de transmissão de dados, alta densidade e baixa latência milhares de projetos de IoT podem sair das gavetas sem medo do baixo desempenho. Começar pensando na infraestrutura do projeto (in house ou em nuvem privada, pública ou híbrida) é o melhor caminho. E aí surge o desafio de lidar com a computação distribuída e IoT. Mas, claro que já falamos sobre isso para te ajudar. Vem ler sobre a abordagem de containers do EUGENIO neste post!

 

E na prática?

Bom, o 5G ainda está para chegar, mas, até lá, você consegue fazer um teste gratuito para desenvolver um projeto de IoT com o EUGENIO. Para isso, basta acessar este link e se cadastrar!

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário